O caso Monteiro Lobato: por uma outra literatura infanto-juvenil brasileira

Escritor é salvo novamente, dessa vez com uma reedição de O Sítio do Pica-Pau Amarelo, na qual são suprimidas as falas racistas

Em algumas rodas de escritores corre a anedota, dizem, de que existe um purgatório para as obras que caem em desuso e esquecimento editorial no país, e que Monteiro Lobato está sempre na boca do guichê quando alguém o salva com mais um novo projeto a partir da coleção de O Sítio do Pica-Pau Amarelo, então ele volta ao rabo da fila e fica mais algumas décadas marinando, não sem desconforto, o aguardo do próprio ostracismo.

Na última década, Monteiro Lobato viu autores e autoras negras, que estavam no purgatório, ressurgirem na vida literária brasileira, Maria Firmina dos Reis, o próprio Lima Barreto que ele mesmo editou nas primeiras décadas do século XX, Carolina Maria de Jesus, Dalcídio Jurandir, Lélia Gonzalez, dentre outros, e se assustou: como pode ser possível que esses, ainda poucos, negros sejam encorajadamente divulgados no contexto literário brasileiro? O que estará acontecendo no Brasil contemporâneo?

A campainha toca, Lobato é salvo novamente, dessa vez com uma reedição d’O Sítio na qual são suprimidas as falas racistas, Emília por exemplo nunca mais dirá que Tia Nastácia é negra por dentro mas branca fora, nunca mais dirá que é uma preta beiçuda ou até mesmo que lhe falta inteligência por causa da cor da pele.

Foi-se a violência racial contra Nastácia, mas por tabela, foi-se também Emília, afinal, o comportamento mais elogiado da boneca-gente é o que os críticos chamaram e chamam até hoje de atrevimento. Ora, esse atrevimento pode ser detectado através de suas ações preenchidas de ousadia e de suas palavras duras para com aqueles que preconizem alguma ordem de advertência ou de interdição aos seus desejos.

Nastácia, junto a Dona Benta, sua patroa, a quem a empregada alegremente chama de “Sinhá”, sugerem a organização cotidiana e os pilares da educação e do bem-estar das crianças no Sítio, são a gota de realidade em contraste à presença de sacis, da cuca e das mitologias clássicas, universo onde Emília reina absoluta. O que chama a atenção é o fato de que no questionamento da realidade Nastácia é alvo da conduta racista de Emília e não de sua atitude transgressora como gesto de modificação, aliás, talvez para Emília, Nastácia e os demais pretos do Sítio sejam os únicos elementos que devam permanecer na mesma posição, uma vez que são os sustentáculos materiais das aventuras possíveis dos netos da Sinhá que vêm da capital para curtir as férias maravilhosas propiciadas somente pelo cenário fantástico da zona rural.

 

CRÉDITOS: https://operamundi.uol.com.br/cronica/68260/o-caso-monteiro-lobato-por-uma-outra-literatura-infanto-juvenil-brasileira

Lobato: uma discussão infindável, porém necessária

O editorial “O racismo de Lobato“, publicado nesta Folha em 27 de dezembro último, afirma que a discussão sobre a presença de racismo na obra de Monteiro Lobato é infindável —e concordo. Quem quiser ver racismo nos seus livros pode sempre os encontrar.

Mas discordo absolutamente da conclusão de que a obra deva ser esquecida. Monteiro Lobato é o pai da literatura brasileira infantil, além de ser uma das mais importantes figuras históricas nacionais.

Seus livros infantis estão no imaginário e no emocional deste país há mais de 60 anos. Os benefícios de se ler Lobato, hoje em dia, continuam enormes. A leitura de Lobato gera crianças com imaginação fértil, que passam a ser amantes da leitura, atuantes, contestadoras e com pensamento crítico. Lobato abre as portas de possibilidades infinitas em nossas vidas.

Monteiro Lobato
Monteiro Lobato

Não desejo simplesmente “ajustar a obra para nenhum ideal político”, como diz o editorial, mas sim absolutamente influenciar positivamente o pensamento das próximas gerações de leitores pelos próximos cem anos, assim como meu bisavô fez com as gerações passadas.

Também concordo quando o editorial afirma que não se deve simplesmente apagar os trechos problemáticos de uma obra e sim usá-los para iniciar discussões de temas atuais. Por isso, junto com a minha editora Nereide Santa Rosa, da Underline Publishing, decidimos colocar um prefácio explicativo dirigido aos pais e educadores convidando-os a fazer exatamente isso —além de, ao final do livro, um glossário sobre as alterações feitas e as definições dos termos em desuso.

Novas edições de Monteiro Lobato
Novas edições de Monteiro Lobato

Os livros do meu bisavô, com sua revisão final de 1947, continuarão à venda pela Globo, editora autorizada pela família, desde 2007, a publicá-los. Em 2019, a obra do escritor caiu em domínio público e qualquer editora pode, desde então, publicá-la, alterando-a com notas explicativas, como já foi feito diversas vezes.

E agora, com a minha nova adaptação em português e a tradução para o inglês, os pais têm também a opção de lerem para seus filhos livros onde Tia Nastácia é tratada como todos os outros personagens, com respeito e dignidade. Essa mudança é claramente presente nas ilustrações de Rafael Sam, ilustrador recifense, a quem eu pedi para criar a Tia Nastácia do jeitinho que ele gostaria de mostrá-la para seus filhos.

FONTE: https://www1.folha.uol.com.br/opiniao/2021/01/lobato-uma-discussao-infindavel-porem-necessaria.shtml?utm_source=whatsapp&utm_medium=social&utm_campaign=compwa

MONTEIRO LOBATO DA MINHA INFÂNCIA Cresci sentindo imensa compaixão por Tia Nastácia

Apolêmica obra de Monteiro Lobato voltou ao debate público porque sua bisneta acaba de lançar uma adaptação de Narizinho Arrebitado, uma das onze histórias que integram o livro Reinações de Narizinho. A iniciativa atualiza as ilustrações originais, dando à trama uma identidade visual mais próxima ao nosso tempo. Tia Nastácia, por exemplo, deixa seu habitual figurino para ser representada de turbante, bata e colar de búzios pelos traços de Rafael Sam. O principal motivo da adaptação de Cleo Monteiro Lobato é fazer com que seu bisavô seja descoberto pelos mais jovens. Para tanto, ela suprimiu da versão anterior trechos que hoje soam racistas. Assim, a frase “a boa negra deu uma risada gostosa, com a beiçaria inteira” virou apenas “Nastácia deu uma risada gostosa”.

O racismo nas obras de Lobato tem sido alvo de intensa discussão nos últimos anos e atingiu seu ápice com o parecer técnico de 2010, do Conselho Nacional de Educação, sobre outro livro do escritor, Caçadas de Pedrinho. O documento recomendava a sua utilização em sala de aula apenas “quando o professor tiver a compreensão dos processos históricos que geram o racismo no Brasil”, de modo a acolher os diversos segmentos populacionais que formam a sociedade brasileira, em especial os negros.

FONTE: https://piaui.folha.uol.com.br/materia/monteiro-lobato-da-minha-infancia/